O que ser quando crescer…

Quando somos crianças tudo na vida parece simples, não é mesmo? Logo no primeiro dia de aula a primeira pergunta feita pela professora é… O que quer ser quando crescer…e eis as repostas. Quero ser astronauta ,  jogador de futebol,  atriz, estilista e melhor que essas respostas foi a minha, com apenas 4 aninhos respondi com toda certeza “Quero ser uma patinadora de supermercado” (Rs). Adorava ir no Extra e ver os funcionários patinando pelo supermercado, lembro como se fosse hoje do sorriso estampado na boca dos meus colegas.  Mas como já disse, bom seria se fossemos crianças para sempre, ahhh tão bom.

Mas voltando a realidade, se pensarmos bem na maioria das vezes nunca temos certeza do que queremos para o nosso futuro, ou melhor nunca sabemos o que queremos ser no futuro. Esta é uma dúvida que muitos jovens e adultos enfrentam ao escolher uma graduação ou curso. Conheço pessoas que começaram mais de 3 graduações e pararam no meio ou no inicio dos estudos, tudo isso por medo ou até mesmo pela desvalorização do curso na região onde reside.

Realmente escolher uma profissão não é uma tarefa fácil, mas também não chega a ser um bicho de 7 cabeças. O ponto primordial para mim,  é passar a observar o que gosta e não gosta de fazer. Para assim ir delimitando o campo de sua atuação. Após fazer estas observações, o próximo passo é buscar nos cursos características que se enquadrem nas ações que te tragam satisfação.

Um grande erro cometido por muitos é o olhar ganancioso na escolha da profissão, explicando melhor, ao invés de escolherem pelo fato de gostar da área, estas pessoas olham a valorização do curso no mercado de trabalho e sua remuneração. O resultado disso é a
formação de profissionais desmotivados e insatisfeitos, pois a profissão escolhida paga bem, porém não o completa.

Então ao escolher o curso, escolha com o coração, pesquise, questione, observe, a curiosidade é a chave para o sucesso. Não tenham medo de arriscar.

Acho que sou um pouco suspeita para falar do assunto, mas depois de querer ser patinadora, aos 10 anos sonhava em ser como a Fátima Bernardes, apresentando o Jornal Nacional. Foi assim que meu desejo de ser jornalista cresceu. E toda vez que assistia o jornal meus olhos brilhavam. Com o passar do tempo a minha ideia continuou a mesma e o que me deu certeza da minha profissão foi o amor que eu tinha pelo jornalismo e a raiva da área de exatas (matemática, física), nossa eu era péssima, Rs.

Hoje sou jornalista, não apareci na TV (Rs), mas amo o que faço, amo onde trabalho e acho que até estou mudando de ideia novamente, quero ter minha especialização em Mobilização Social, minha nova paixão. A vida é assim, feita de escolhas que muitas das vezes superam as nossas expectativas. Não sou a Fátima B. mas sei que estou fazendo a diferença.

O que quero dizer com o meu post é: Viva o momento e escolha sua profissão baseada no amor e não na remuneração.  O melhor profissional, não é aquele que já tem sua área valorizada e sim aquele que valoriza o que até então era desvalorizado por todos.

Anúncios

Amizade não morre!!!


Gente inspiração não tem hora para acontecer, não é mesmo? Estava trabalhando e de repente o santo face me trouxe de volta uma sensação que há muito tempo não sentia. A sensação do reencontro, algo como acender um fogão que há muito tempo não funcionava, Rs.

Sabe quando reencontramos uma pessoa que fez parte da nossa infância, aquela que compartilhamos segredinhos, alegrias, brincadeiras e até mesmo lágrimas? Então, tão bom sentir isso, porque me trouxe lembranças que estavam bem guardadas porém a correria do dia-a-dia me impedia de tirá-las do armário.

Ahh doce infância, mundo coberto de cores e de algodão doce, mundo onde não existia maldade. Com isso me coloquei a pensar…seria tão bom se todos nós, em momentos difíceis, parássemos um  instante para lembrar do tempo em que existia pique esconde e pega pega, Rs. Para mim particularmente trouxe uma paz, confesso que até fiquei rindo sozinha.

Passamos por tantas transformações, tantas pessoas entram e saem de nossas vidas e nem sempre temos contato com ela. Simplesmente, vão e as vezes nem sabemos o motivo pelo qual nos distanciamos delas.

Sempre tive certeza de uma coisa, amizade verdadeira nunca morre, ela adormece e são pequenos gestos como uma ligação, uma mensagem ou uma visita inesperada que despertam esse sentimento.

Então você que tem um amigo (a) de infância e que há muito tempo não se falam, procure localizá-lo, as redes sociais são uma ótima pedida para quem não tem ao menos o telefone.

Neste reencontro via face, combinamos de arrumar uma festinha “o encontro das amizades perdidas” Rs. Sem dúvida vai bombar!

Viva a amizade, a mais pura e bela amizade, a amizade da nossa infância!!!!

Foi Deus…

 

 Não sei ao certo o que me fez querer escrever sobre esse assunto hoje. Mas  conversando ontem com uma amiga me veio um flash desta questão. O amor acontece  ou nós fazemos que ele aconteça? Muitas vezes me deparo com pessoas que estão em  uma determinada idade entre 25 e 30 que sonham encontrar sua alma gêmea. Então  essa alma vem ou temos que ir atrás? Esta dúvida perturba muito a cabeça e o  coraçãozinho de muita gente.

Com isso parei para refletir sobre minha história com o meu marido. Eu no auge de  minha juventude jamais pensei em ter um relacionamento sério, ainda mais casar. Eis  a resposta para as questões mencionadas acima. O amor acontece. Logo quando  conheci o joão Pedro nunca cogitei a possibilidade de me casar com ele, até porque,  cá entre nós, eu detestava ele rs. Podem acreditar.

E com o tempo de aproximação e muitos, mais muitos papos na internet, passei a olhar muita coisa com outros olhos. E de repente  eis que meu coração bateu forte,  minha respiração ao vê-lo não era mais a mesma, minhas pernas tremiam e meus olhos não conseguiam olhar em outra direção. O amor então bateu em minha porta e eu me entreguei ao sentimento, ao mais nobre e puro dos sentimentos – o amor.

A ciência tem explicação para muitas coisas, porém só Deus tem o momento e a pessoa certa para cada um. Hoje tenho 21 anos sou casada e sim… sou muito, mais muito feliz. Pois sei que FOI DEUS o autor desta história que eu estou vivendo.

Por isso amigos não se preocupem com o tempo que passa, com o amor que não chegou, tudo na vida tem o momento certo para acontecer.

Em relação as pessoas jovens que querem assumir um compromisso sério como o matrimônio… Não tenham medo e outro detalhe muito importante, NÃO DE OUVIDO AO QUE AS PESSOAS FALAM, siga o teu coração, pois é nele que Deus age.

Creio que a vida de um nunca é igual a vida de outros, o fracasso de uns não é o seu fracasso. Você pode construir uma linda história e uma linda família.

A felicidade está dentro de você, ouça o som que toca em teu peito.

Compartilho com vocês a música que completa meu texto:

Foi Deus
Que me entregou de presente você
Eu que sonhava um dia viver
Um grande amor assim
Foi Deus

Foi Deus
Numa oração que um dia eu pedi
Acorrentado em teus olhos me vi
Quando te vi pela primeira vez

Foi Deus
Que me entregou de presente você
No teu sorriso hoje eu quero viver
No teu abraço encontrei minha paz

Valeu
Ter esperado o tempo passar
Pra de uma vez meu amor entregar
E não sentir solidão nunca mais

O valor da vida!

Ontem assistindo o filme “A lista de schindler” com meu marido, comecei a refletir sobre a vida. Tantos são os momentos bons que Deus nos proporciona e ainda sim vivemos em uma época em que a insatisfação esta no auge.
Podemos ter tudo, porém sempre sentiremos a falta de algo. Podemos ter a mais bela das aparências e ainda sim reclamamos do cabelo, da cor da pele, de ser gorda, alta, baixa ou magra.
E vendo a história da 2º guerra, onde mais de 6 milhões de judeus foram torturados, mal tratados e assassinados com crueldade, vi que a única coisa que importava para estas pessoas era a vida, mesmo na maior das precariedades.
O simples ato de tomar um banho ou de beber uma água era motivo de festa. Ahh se fossemos assim, acho que muita coisa no mundo iria mudar.
Queria com este post fazer com que as pessoas reflitam sobre a vida, sobre o que tem feito. Schindler era um empresário rico e gastou todo o seu dinheiro comprando mais de 1.100 judeus, para que eles não fossem mortos. Ele pagou por cada vida e mesmo assim chorou por pensar que poderia ter feito mais.
Hoje reclamamos de tudo, porém esquecemos que a maior dádiva que temos é a vida!
Então celebre, cante, pule, sorria. Pois o relógio não para, e o tempo não volta. Viva o hoje como se não houvesse o amanhã. Faça o bem, promova a paz. O seu sorriso pode mudar a vida do outro!!!